A Calvície Masculina, conhecida por nós médicos como Alopécia Androgenética Masculina (AAGM), é uma das principais condições que leva os homens à procurar ajuda médica. Inicia-se na região das têmporas (“entradas”) e evolui acometendo todo o couro cabeludo até o vértex (“coroa”).

Ela não é um processo agudo de queda repentina dos cabelos. Não se fica “calvo” de um dia para o outro. O que realmente ocorre é a miniaturalização progressiva dos fios, isto é, a transformação dos fios grossos – também chamados de “fios terminais”- em fios finos e cada vez mais curtos – conhecidos como pelos velus ou penugem.

FATOR GENÉTICO DA CALVÍCIE

Ocorre em indivíduos geneticamente predispostos, podendo esta herança vir do lado paterno ou materno. É uma doença autossômica dominante, ou seja, basta somente a presença de um gene, vindo de um dos pais para o filho manifestar a patologia.  Se o pai ou mãe tem calvície, o filho tem 50% de chance de desenvolver a mesma.  Se ambos os pais tem calvície (podendo ser o pai da mãe calvo ao invés da mãe, por exemplo) a chance aumenta para 75%

FATOR HORMONAL DA CALVÍCIE

É resultado da estimulação dos folículos pilosos das regiões frontal, intermediária do couro cabeludo e vértex, por hormônios masculinos que começam a ser produzidos na adolescência.

Os hormônios sexuais têm um papel importante na AAG. A testosterona reage com uma enzima chamada 5-alfa-redutase tipo II, presente nos folículos, transformando-se em dihidrotestosterona ou DHT.

Os homens têm 40% mais receptores para 5-alfa-redutase na região frontal e possuem 3,5x mais 5-alfa-redutase do que as mulheres, o que explica a maior incidência no sexo masculino.

O DHT age sobre os folículos pilosos promovendo a sua diminuição progressiva a cada ciclo de crescimento capilar, e estes vão se tornando cada vez mais finos e menores e começam a cair. O resultado final desse processo é a calvície.

TRATAMENTO

tratamento visa o prolongamento da vida últil dos folículos pilosos retardando ou interrompendo o processo de queda dos cabelos. Baseia-se em estimulantes de crescimento dos fios como o Minoxidil e em bloqueadores hormonais.

PREVENÇÃO

A Alopécia Androgenética é uma doença genética, mas alguns fatores podem piorar o problema, como por exemplo, a suplementação de hormônios masculinos. Exames genéticos podem identificar os pacientes com maior predisposição a desenvolver a doença. Entretanto, não há como evitar o desenvolvimento da doença sem o tratamento adequado.

SAIBA QUAIS SÃO OS TRATAMENTOS PARA CALVÍCIE MASCULINA

  • Medicamentoso
  • Mesoterapia Capilar
  • MMP
  • Laserterapia
AGENDE SUA CONSULTA